Entendendo as hipóteses da escrita das crianças

by zenaidealves1950 · 30 Janeiro, 2015

  • Nível 1: Hipótese Pré-Silábica A criança: – não estabelece vinculo entre fala e escrita; – demonstra intenção de escrever através de traçado linear com formas diferentes; – usa letras do próprio nome ou letras e números d\na mesma palavra; – caracteriza uma palavra como letra inicial;

    – tem leitura global, individual e instável do que escreve: só ela sabe o que quis escrever;

  • • Nível 2: Intermediário I A criança: – começa a ter consciência de que existe alguma relação entre pronuncia e a escrita; – começa a desvincular a escrita das imagens e os números das letras;

    – conserva as hipóteses da quantidade mínima e da variedade de caracteres.

  • Nível 3: Hipótese Silábica A criança: – já supõe que a escrita representa a fala; – tenta fonetizar a escrita e dar valor sonoro às letras; – já supõe que a menor unidade de língua seja a sílaba;

    – em frases, pode escrever uma letra para cada palavra.

  • Nível 4: Hipótese Silábico-Alfabética ou Intermediário II A criança: – inicia a superação da hipótese silábica; – compreende que a escrita representa o som da fala; – passa a fazer uma leitura termo a termo; (não global)

    – consegue combinar vogais e consoantes numa mesma palavra, numa tentativa de combinar sons, sem tornar, ainda, sua escrita socializável. Por exemplo, CAL para cavalo.

  • Nível 5: Hipótese alfabética A criança: – compreende que a escrita tem função social; – compreende o modo de construção do código da escrita; – omite letras quando mistura as hipóteses alfabética e silábica; – não tem problemas de escrita no que se refere a conceito;

    – não e ortográfica e nem léxica.

Não existe o nível ortográfico. Dizemos que a criança está alfabética, mas possui dificuldades em grafar as palavras corretamente.

As atividades podem ser: cruzadinhas, agrupamentos de palavras pela dificuldade ortográfica, jogos, uso do dicionário etc.

Fonte: https://cantinhoprodihene.blogspot.com.br/

Postado por [email protected] 

Tags: Entendendo as hipóteses da escrita das crianças

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.