Cego guiando outro cego

Objetivos: Compreender o próprio estilo de prestar ajuda e seu efeito sobre as outras pessoas; vivenciar uma situação de dependência de outrem e os sentimentos que essa situação provoca; discutir a relação entre administração eficiente e auxilio eficiente.

Nº de Participantes: de 6 a 30 participantes

Material: Vendas para os olhos na proporção de uma para cada três participantes.

Desenrolar: O facilitador informa ao grupo; “Vamos fazer um passeio de reconhecimento no prédio (limitar ao andar, ou ao nível do ambiente que não cause transtornos com o público externo ou com outras áreas). Só que existe uma condição: Alguns estarão cegos. Para cada cego teremos um guia, e para dupla, um observador”.
Regras:

• Orientar o grupo para se dividir entre os três papéis;

• Delimitar o ambiente para o passeio; combinar por quanto tempo cada um viverá cada papel; • Todos deverão vivenciar os três papéis e, em seguida, reunirem-se na sala. O facilitador dá alguns minutos para que os trios se preparem, vendando o colega que será conduzido. Após fazer o giro com todos pelo prédio e, retornando à sala, inicia-se o relato dos sentimentos, perguntando, por exemplo:

• Como vocês se sentiram quando na posição de cegos? • Como se sentiram enquanto guia? Deixa-se que o grupo extravase seus sentimentos em cada fase da vivência. De forma natural, o facilitador começa a abordar como se desenvolveu a experiência questionando, por exemplo:

• O que vocês puderam perceber na condição de observadores?

• Que incidentes ocorreram que mais chamaram a atenção?

• Houve algum momento em que você, como cego, ficou com receio de seguir o seu guia?

• Houve algum momento em que você, como guia, sentiu que seu parceiro não queria segui-lo? Na medida em que o grupo tenha extravasado todos os sentimentos e relatado todo o desenvolvimento da experiência, o facilitador inicia uma correlação com a realidade do trabalho, perguntando, por exemplo:

• Quais as implicações da nossa conduta, enquanto líderes, sobre o comportamento dos nossos colegas?

• Que relações existem entre a liderança. e o sentimento da equipe? Deve-se lembrar ao grupo que as conclusões que terão valor são somente aquelas que o grupo mesmo elabore. O importante é valorizar as conclusões do grupo, até porque todos estarão tão envolvidos na experiência vivida que terão pouco espaço mental para analisarem as conclusões do facilitador.

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.